Criança autista: Como lidar com o autismo?

Tempo de leitura: 7 minutos

criança autista-instituto-cris-poli

Muitos pais não fazem ideia de como lidar com uma criança autista. E isso é um grande problema, principalmente levando em conta que o número de crianças que apresentam esse problema cresceu bastante nos últimos anos.

Segundo um estudo feito pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDD), dos Estados Unidos, o número de crianças com TEA (Transtorno do Espectro Autista) cresceu 15% nos últimos anos. Isso quer dizer que pelo menos uma em cada 59 crianças está dentro desse grupo.

Se você deseja saber mais sobre o assunto, continue lendo esse post e descubra quais são as dificuldades mais comuns que os pais enfrentam ao lidarem com uma criança autista.

E o que fazer para resolver essa questão sem comprometer a qualidade de vida dos filhos.

Quais são as dificuldades de lidar com uma criança autista?

As maiores dificuldades ao lidar com uma criança autista estão relacionadas ao aspecto social. Isso porque a criança apresenta uma série de comportamentos que podem tornar a criação de laços mais complexa. Tanto dentro de casa quanto na escola e em outros ambientes de convívio social.

Entre os principais estão:

  • Dificuldade em aceitar contato físico;
  • Alta resistência a mudanças;
  • Hipersensibilidade.

Além disso, é preciso levar em conta que o TEA pode se manifestar em diferentes níveis. Logo, é necessário analisar caso a caso para que seja possível buscar maneiras de lidar com a criança que possui este tipo de distúrbio.

Dicas de como lidar com a criança autista

Uma coisa que todos os pais que têm uma criança autista dentro de casa precisam ter em mente é que o processo dela de educação e desenvolvimento de laços terá um ritmo totalmente diferente. Por isso é necessário ter paciência em dobro.

E para te ajudar a passar por esse momento, nós separamos algumas dicas. Confira:

  • Trabalhe uma comunicação adequada

A primeira coisa que os pais precisam ter em mente é que a comunicação com a criança autista é diferente. Como ela é hipersensível, qualquer palavra ou entonação diferente pode desencadear uma atitude negativa.

O ideal é usar uma comunicação verbal tranquila, que demonstre as emoções, mas sem assustá-la. Além disso, a linguagem corporal sempre deve estar presente.

Por meio do movimento de mãos, braços, boca e até sobrancelhas a criança pode compreender com mais facilidade aquilo que você quer dizer. Consequentemente, ela também aprenderá como se expressar de forma mais clara.

Outro ponto importante é dar tempo para que ela processe as informações. Ao mesmo tempo que a criança pode compreender tudo em questões de segundos, ela pode levar dias para assimilar algum ensinamento.

  • Crie formas de despertar a atenção da criança autista

A criança autista tem mais facilidade para desviar sua atenção. Qualquer coisa mínima pode fazê-la não ouvir mais o adulto e focar em algo aleatório.

Logo, para manter um diálogo saudável e aberto, você precisa investir em formas de despertar a atenção dela. Uma boa alternativa é adaptar os ambientes de casa, diminuindo os ladrões de foco.

Espaços tranquilos e com luminosidade amena, por exemplo, são ideais para conversas e brincadeiras. Inclusive o quarto do seu filho com TEA precisa ser adaptado dessa maneira. Isso porque o quarto será o principal refúgio dele.

  • Desenvolva brincadeiras que estimulam a criatividade

A criatividade da criança autista é algo que vai além de qualquer coisa que se possa imaginar. Ela é bem ampla, e se estimulada de forma correta, pode ajudar criança a se sociabilizar com mais facilidade.

Por isso, cabe aos pais criarem brincadeiras que estimulam essa habilidade. Na internet e em lojas de brinquedos é possível encontrar uma gama de brinquedos voltados para crianças com TEA.

No entanto, você também pode criar uma série de atividades com materiais já presentes dentro de casa. Papelão, folhas sulfites, jornais, lápis de cor… tudo isso já é o suficiente para estimular o seu filho autista.

Mas tão importante quanto providenciar insumos e ferramentas para ele brincar e estimular sua criatividade, é você estar presente nesse momento. A criança autista precisa desse apoio constante para se sentir protegida e assim desenvolver suas habilidades.

Então, por mais corrida que a vida esteja, separe algumas horas do dia para sentar com o seu filho e fazer esse tipo de atividade, ok? Isso é muito importante.

  • Atenção ao tom de fala e toques

A hipersensibilidade da criança autista é um dos pontos de maior cuidado que os pais precisam ter. Qualquer toque ou tom utilizado de forma errada pode gerar crises graves.

É necessário estudar tudo aquilo que incomoda o seu filho com TEA. Desde um toque como um abraço, até palavras que ele não gosta de ouvir.

Muitos pais acreditam que isso é uma forma de “chamar a atenção”. No entanto, é preciso ter em mente que a criança autista realmente pode ter crises por conta de qualquer entonação diferente.

Procure sempre usar um tom de compreensão e jamais comece a gritar com o seu filho. Isso não o fará compreender a situação. Pelo contrário: só irá dificultar a capacidade de compreensão dele.

  • Entenda os gatilhos que causam crises

A criança autista pode se afastar com facilidade. Qualquer ruído diferente pode despertar uma crise de medo e pavor nela. Desde o toque do telefone até latidos de animais, por exemplo.

É preciso sentar e analisar com calma os gatilhos que despertam esse tipo de comportamento. Se puder, tente evitar o ruído que incomoda tanto o seu filho.

Além disso, descubra por que esse tipo de coisa causa tanto pavor. Mas não a force a falar. Deixe que a criança determine quando deseja falar sobre o assunto.

Quando a criança autista se assustar e começar a se debater, afaste qualquer tipo de objeto ou móvel dela. Isso evitará que ela se machuque até se acalmar.

  • Dê um animal a ela 

Estudos já comprovaram que o contato com mascotes, principalmente cães, é benéfico para a criança autista. Por meio desse tipo de contato elas acabam tendo mais segurança para agir.

Consequentemente, as habilidades sociais também são estimuladas. Além disso, o isolamento e solidão também diminuem, e a criação de laços afetivos é estimulada.

  • Crie momentos de transição

A criança autista tem mais dificuldade de aceitar mudanças do que as crianças sem o TEA. Contudo, a vida é feita de transformações.

Você pode ajudar o seu filho criando momentos de transição por meio de gestos, objetos e até mesmo timers. Estimular quando e como uma mudança irá ocorrer (como entrar para a escola) também é de grande ajuda.

Isso porque, mesmo passando por uma fase transitória, a criança autista terá a sensação de que ainda mantém o controle de tudo. Com isso, as chances de ela encarar o momento com tranquilidade são maiores.

Conclusão

A criança autista precisa de atenção totalmente diferenciada. Ao contrário do que muitos pensam, ela pode sim ter uma infância e futura vida adulta normal, desde que receba o apoio necessário dos pais.

Mas, além disso, o que as mamães e papais precisam entender é que vocês não podem fazer tudo sozinhos. Procurar um especialista em TEA é fundamental para que ele possa compreender melhor o caso do seu filho. Esse é o ponto de partida para qualquer atitude relacionada à educação infantil e sociabilização.

A partir daí será possível trabalhar diferentes abordagens com a criança autista.

Ficou com alguma dúvida? Aproveite para deixá-la nos comentários.

Siga-nos em nossas redes sociais para não perder nenhum conteúdo.

Facebook
Instagram
YouTube

Instituto Cris Poli

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *